Manifestações de agricultores em toda a Europa 

Escrito por Mahima Chhaparia

7 de fevereiro de 2024

Affaires | Sala de Situação | Viagens

Nos últimos meses, a Europa registou um aumento significativo de protestos de agricultores que provocaram grandes perturbações nas viagens. Foram registadas acções de protesto em França, na Alemanha, na Grécia, na Polónia, na Irlanda, na Suíça, em Portugal e em vários outros países do continente. As razões mais comuns para os protestos são o aumento dos custos, as importações baratas de países estrangeiros e a regulamentação pesada. Estas razões são também acompanhadas por questões locais específicas de cada país, como a exigência de reduzir as emissões de azoto nos Países Baixos e os planos para tributar o gasóleo agrícola na Alemanha. 

Cimeira da UE em Bruxelas 

Em 1 de fevereiro, realizou-se uma cimeira europeia especial no bairro europeu de Bruxelas para discutir a revisão intercalar do orçamento da UE para 2021-2027. O sector agrícola e os agricultores não foram um ponto de discussão planeado na cimeira. No entanto, as acções de protesto conjuntas de agricultores de vários países forçaram o tema a vir ao de cima. Agricultores de França, Bélgica, Itália, Grécia e Alemanha marcharam com os seus tractores até ao local da cimeira. Atiraram ovos ao Parlamento Europeu, queimaram pneus e acenderam fogueiras. Após as reuniões com os líderes da UE, os sindicatos agrícolas franceses instaram os manifestantes a regressar a casa, mas alertaram para outras consequências se as promessas não fossem cumpridas. 

Causas 

Embora o aumento do custo de vida e dos custos dos agricultores sejam as causas mais óbvias da agitação e da insatisfação, as importações da Ucrânia e as questões climáticas são as mais prementes. 

A importação de produtos agrícolas e outros materiais de países estrangeiros tornou-se um grande problema devido à invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022. Após o início da guerra, a União Europeia renunciou a várias quotas e direitos para permitir importações baratas da Ucrânia. Os agricultores da Polónia e da Roménia organizaram bloqueios de meses nas suas fronteiras com a Ucrânia. Os agricultores pediram que os produtos ucranianos fossem exportados para os mercados asiáticos ou africanos, em vez de para a Europa. Os agricultores franceses também manifestaram o seu descontentamento relativamente às importações mais baratas de países como a Nova Zelândia e o Chile. 

As alterações climáticas são uma questão importante e uma preocupação crescente tanto para os governos como para os agricultores. O sector agrícola representa 11% das emissões de gases com efeito de estufa da UE. Numa tentativa de tornar o bloco neutro em termos climáticos até 2050, a UE tem várias políticas planeadas. Estas incluem a exigência de que os agricultores reduzam o uso de fertilizantes, implementem rotações de culturas e dediquem algumas terras a actividades não produtivas, entre outros requisitos. Segundo os agricultores, estas exigências podem torná-los menos competitivos face às importações de países estrangeiros. A exigência de uma agricultura sustentável, associada à procura de produtos baratos, é o cerne do problema com que se confrontam os agricultores e os decisores europeus. 

protesto

Medidas governamentais 

Os agricultores apelaram a uma maior proteção económica e à redução das restrições regulamentares. Os governos europeus responderam a estas exigências com uma série de medidas. O Governo francês comprometeu-se a conceder uma ajuda de 150 milhões de euros aos agricultores, cancelou um aumento previsto do imposto sobre o gasóleo e adiou várias medidas previstas. O Governo alemão alterou os seus planos de redução dos subsídios ao gasóleo. O Governo grego anunciou a prorrogação por mais um ano do desconto especial sobre o gasóleo agrícola. A Comissão Europeia propôs a limitação das importações da Ucrânia. Anunciou igualmente um adiamento das regras que exigem que os agricultores mantenham 4% das suas terras livres da produção vegetal para incentivar a saúde dos solos e a biodiversidade. 

Para concluir, embora os sindicatos de agricultores em França tenham cancelado os seus protestos, a ação continua noutros países da Europa. Apesar de algumas concessões por parte dos governos, os agricultores afirmam que as suas exigências não foram atendidas. As questões estruturais subjacentes à agricultura europeia, incluindo a necessidade de práticas agrícolas sustentáveis e de uma concorrência leal nos mercados mundiais, continuam por resolver. Uma solução exigirá um equilíbrio entre a promoção da sustentabilidade ambiental, a garantia da viabilidade económica para os agricultores e a salvaguarda da segurança alimentar para os cidadãos. 

Para mais informações sobre o que se passa atualmente, subscreva o nosso blogue. Para mais actualizações, siga-nos em Instagram, LinkedIn e X.

Por favor, siga e como nós:

Artigos relacionados

Uma antevisão dos Jogos Olímpicos de Paris 2024

Uma antevisão dos Jogos Olímpicos de Paris 2024

Os Jogos da XXXIII Olimpíada, também conhecidos como Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de verão de 2024, estão programados para se realizarem em Paris, França, de 26 de julho a 11 de agosto e de 28 de agosto a 8 de setembro, simultaneamente. Os torneios decorrerão em locais emblemáticos de Paris...